18 Jul 2019

A Makhteshim Agan passa a denominar-se ADAMA

Publicado em Cultura
Avalie este item
(0 votos)

Graças aos seus 70 anos de história e à sua posição incontestável de líder do mercado de soluções não protegidas por patente, com 56 empresas distribuídas por 45 países e vendas em 120 países, a Makhteshim-Agan aposta agora na simplicidade. Os seus administradores escolheram, portanto, o nome de Adama. Um nome claro e fácil de memorizar e que contém, simultaneamente, as iniciais de Makhteshim e Agan e que em hebreu significa a terra. Esta nova abordagem é acompanhada por duas outras orientações essenciais: criar simplicidade para o agricultor, que está no centro de todas as decisões, e fazer da Adama a primeira marca agrodigital.

Ignacio-DominguezAgricultura Internacional – Que reflexão esteve na base da reorientação da estratégia?

Ignacio Dominguez* - Percebemos que ser líder de produtos genéricos era uma posição difícil de manter, uma vez que outras empresas poderiam propor os mesmos produtos a um preço inferior. Se alguém poderia ser menos caro do que nós, como poderíamos manter a nossa liderança? Afigurava-se, portanto, necessário reinventarmo-nos.

Como nos reinventarmos mantendo-nos credíveis, que tipo de estratégia nos diferenciaria, em que é que nos tornaria relevantes no mundo agrícola? Refletimos com os nossos parceiros distribuidores sobre aquilo que deveria ser a nossa organização. Necessitávamos de encontrar outras implantações em novos territórios, tais como a China que nos oferece novas oportunidades suscetíveis de aumentar a eficácia e a rentabilidade da nossa carteira de produtos ao longo da cadeia de valor da produção, mas também determinar como nos comportar e como apresentar a nossa história para que reflita a força da nossa marca.

Foi desta reflexão que nasceu a nossa nova marca – Adama – e o nosso novo logótipo. A nossa carteira de híbridos, que volta agora a combinar soluções não patenteadas às quais introduzimos inovação, permite aos nossos parceiros serem relevantes no mercado.

A.I. – Esta nova orientação altera a filosofia de base da empresa?

I.D. – Em primeiro lugar, obriga-nos a respeitar a marca que construímos, bem como a promessa feita aos agricultores e ao mercado. Além disso, a orientação de uma empresa não pode visar exclusivamente uma carteira de soluções genéricas. Trabalhamos noutras vias de expansão da nossa atividade: aceder ao mundo digital e abrir um sítio Web na China, o que nos permitirá dispor de uma cadeia de aprovisionamento de primeira linha e melhorar os nossos conhecimentos com as inovações existentes na China. Cabe salientar que, atualmente, 60% das patentes de nanotecnologias são chinesas.

A.I. – Quais as vantagens previstas?

Bertrand Lombard** - A principal ambição da Adama é a de ser reconhecida no mercado como a empresa que simplifica verdadeiramente a vida do agricultor. Realizámos um estudo para saber quais as condicionantes que afetavam o trabalho dos agricultores no seu dia-a-dia.

De entre as complicações diárias, foi possível distinguir 9 às quais os agricultores estão diariamente expostos: a facilidade de utilização, a segurança de utilização, uma mão-de-obra insuficiente ou pouco qualificada, um custo do trabalho excessivo, a imparcialidade do aconselhamento, o acesso à informação sobre a utilização dos produtos, o combate às resistências, uma eficácia garantida.

A partir de agora, todas as vezes que fornecermos a um agricultor a solução para um destes problemas, ele vai compreender imediatamente que se trata de uma solução Adama: uma solução simples, relevante e que permite ganhar tempo e rendimento.

Simply-grow-togetherA.I. – Com base em que argumentos é que será estabelecida com o agricultor uma relação assente na simplicidade e parceria?

Jean-Marc Dardier*** - Na nossa assinatura: « Simply grow together » o termo «grow» significa em inglês expandir e crescer. Ora, para fabricar um produto que responda às necessidades dos agricultores, que permita que as suas produções cresçam (grow), mas também que as nossas empresas se expandam (grow) juntas (together) temos de nos aproximar o máximo possível das suas expectativas.

Ao propor produtos extremamente atrativos, porque respondem às necessidades complexas e variadas dos agricultores, o produto será promovido pelo próprio agricultor e o trabalho da distribuição será bastante simplificado. Hoje em dia, o custo das novas moléculas tornou-se excessivo, sendo necessário ultrapassar limiares suplementares em termos de inovação.

Graças ao nosso amplo espetro de produtos, enriquecemos as moléculas existentes com as nossas inovações. Deste modo, a partir deste outono, introduzimos o Folpete, um fungicida que permite contornar os problemas de resistências nos cereais, determinando, assim, uma nova aplicação de uma molécula conhecida.

Propomos igualmente um herbicida para pomóideas que funciona de forma digital utilizando, numa gama bastante estreita de temperatura, de humidade e de período de aplicação, o metamitrão, uma molécula utilizada na beterraba sacarina à qual damos assim uma nova aplicação através de uma nova fórmula que permite desbastes precisos: um fruto em dois ou em três. Outro exemplo: Trimx, um regulador de crescimento que oferece um efeito igual ao dos concorrentes, com 10% menos de aplicações, diminuindo na mesma proporção a pressão ambiental.

Além disso, queremos estabelecer com o agricultor uma relação que se apoie na ferramenta digital, que se traduzirá por intercâmbios de informações, em redes sociais com um perfil de cariz mais profissional. O objetivo: trocar ideias sobre os nossos saberes respetivos e as suas necessidades. Assim, quando um agricultor descobrir uma nova aplicação de um produto que apresente uma maior eficácia com menor dosagem, tal será benéfico para ambas as partes.

DroneA.I. – A implementação da componente digital que opera é o melhor meio de criar e fazer perdurar uma proximidade permanente com o agricultor, bem como uma interatividade produtiva?

J-M.D. – A nossa estratégia digital baseia-se em 5 realidades:

- As redes sociais são uma realidade. Se não as utilizássemos ficaríamos fora da corrida.

- Os captadores – de geoposicionamento, geolocalização, higrometria, etc.

– São uma realidade.

- O «Big data», ou seja, a análise de grandes conjuntos de dados, que é incontornável.

- A mobilidade. Os agricultores utilizam mais telemóveis do que computadores.

- A personalização e o contexto. Num sítio Web, o agricultor quer saber que tempo vai fazer perto de si, onde se encontram os seus prescritores ou distribuidores mais próximos. Deve poder ter imediatamente acesso à situação das suas produções nos mercados.

Graças a esta interatividade, é através da satisfação dos nossos clientes relativamente aos nossos produtos que os nossos prescritores poderão fornecer a informação mais correta e, assim, gerir o melhor possível os problemas com os quais os nossos clientes se deparam.

*Diretor das Operações Comerciais Globais / Global Chief Commercial Officer - **Responsável pela Região do Sul da Europa / South Europe Area Manager - ***Diretor de Marketing Global / Head of Global Marketing.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.